Menu

Fique Por Dentro

21 de março de 2018

Dinis defende fim de privilégios no Executivo, Judiciário, Legislativo e Ministério Público

O ex-presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais Dinis Pinheiro defendeu, nesta terça-feira (20/02), que uma das prioridades dos governantes do Estado e do Brasil deve ser valorizar de verdade os trabalhadores e trabalhadoras e que, para isso, é urgente acabar com todos os tipos de privilégios na administração pública.

Dinis participou, na sede da Força Sindical Minas e da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado de Minas Gerais (FemetalMinas), em Belo Horizonte, de encontro com representantes de 50 entidades sindicais de diversos segmentos de trabalhadores. O evento foi realizado de forma conjunta pelas centrais sindicais.

“No Brasil, dá-se muito valor a autoridades. Acontece que nossas instituições estão praguejadas por privilégios, e eu duvido que tenha algum governador ou presidente que possa levar nosso Estado e nosso país ao pleno desenvolvimento sem acabar com as regalias, as mamadeiras, as super aposentadorias no Executivo, Judiciário, Legislativo e Ministério Público. Chega! Precisamos de um Estado eficiente, moderno, modesto, honesto e que verdadeiramente priorize os cidadãos”, afirmou Dinis.

Para ele, a administração pública não pode dar trégua à ineficiência, desperdício, improbidade e ao combate à corrupção. Dinis ressaltou que essas são regras básicas, mas que não são praticadas em Minas Gerais e no Brasil e que, nos últimos anos, o país foi tomado pelo corporativismo.

“Fico olhando essa questão da previdência. Fui deputado e abri mão da aposentadoria, porque seria imoral e quebra de ética se eu viesse a receber. Infelizmente, nossas instituições estão entupidas de privilégios. Não tem jeito, tem que mudar”, destacou Dinis ao relembrar que hoje existe uma inversão de prioridades e valores, em Minas Gerais e no Brasil.

Rombo fiscal

De acordo com o ex-presidente da ALMG, a população exige um novo padrão ético e moral para que o Estado e o país sejam reconstruídos.

“É por isso que em Minas Gerais, neste ano, o rombo é de mais de R$ 8 bilhões. É por isso que o trabalhador e o aposentado em nosso Estado não recebem em dia. As contas públicas de Minas Gerais estão quebradas. E, como fazer com essa situação? Tem que enfrentar o gasto público com austeridade e zelo. Fico olhando a lambança fiscal no Brasil e em Minas Gerais. Tem jeito? É lógico que tem. Austeridade é um valor inegociável, que tem que ser cultivado permanentemente.”

“Minas Gerais está precisando de um líder que tenha coragem moral, seja decidido, municipalista e visionário para fazer o que é certo, e que tenha projeto de desenvolvimento e respeito pelo povo. Hoje, infelizmente, nossos políticos e autoridades perderam respeito pelo povo”, finalizou Dinis.

Percorrendo Minas Gerais

O ex-presidente da ALMG Dinis Pinheiro tem debatido ideias por toda Minas Gerais. Nos últimos três anos, Dinis visitou cerca de 500 municípios do Estado. O objetivo das visitas é vivenciar de perto o dia a dia dos mineiros em cada cidade e compreender as diversas particularidades de cada lugar de Minas Gerais.