http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site5.jpglink
http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site4.jpglink
http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site3.jpglink
http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site2.jpglink
http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site1.jpglink

Interiorização do debate sobre a dívida chega a Jequitinhonha

Financiamento da União pelos Estados da federação é discutido no município mineiro 

O débito que, segundo o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Dinis Pinheiro (PSDB), está “sangrando” as finanças públicas do Estado e inviabilizando investimentos que poderiam estar melhorando a vida das pessoas, a saber, a dívida dos Estados com a União, foi pauta mais uma vez de discussão, nesta quarta-feira, 25/04/2012, em Jequitinhonha (Jequitinhonha). O presidente do parlamento mineiro, acompanhado de deputados e autoridades locais, debateu o assunto, defendendo a repactuação do débito do Estado.

Na oportunidade, Dinis voltou a defender a redução da taxa de comprometimento da Receita Líquida Real para o pagamento da dívida de Minas de 13 para 9%, e a troca do atual indexador da dívida, o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), a exemplo do que vem sido defendido por parlamentares e governadores de todo o País. Para ele, os Estados estão financiando a União. “Minas Gerais pagou quase R$ 4 bilhões em juros e correção monetária no ano passado. Desde o início da dívida, foram cerca de R$ 20 bilhões direcionados à União”, alertou. Segundo o deputado, é fundamental que o Governo Federal faça a repactuação “o mais rápido possível”.

 

“Quanto mais se paga, mais se deve” 

 A frase, dita pelo prefeito de Jequitinhonha e diretor-regional da Associação Mineira de Municípios (AMM), Roberto Botelho, destaca a importância de se discutir o assunto também com os municípios. “Nossas receitas estão cada vez menores e nossos comprometimentos com gastos públicos estão sempre maiores”, disse. Para Botelho, a dívida atual é “impagável”. “Quanto mais se paga, mais se deve”, afirmou. 

O encontro, promovido pela ALMG, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado (Fiemg) e com a AMM, contou com a palestra do consultor da ALMG, Daniel Sotomayor, cujo tema foi “A Renegociação da Dívida Pública dos Estados com a União”. 

Os próximos debates serão em Ipatinga (Rio Doce), em 16/5; Patos de Minas (Alto Paranaíba), em 18/5; Divinópolis (Centro-Oeste), em 21/5; Juiz de Fora (Zona da Mata), em 22/5; Montes Claros (Norte), em 24/5.

 

Última modificação emTerça, 29 Julho 2014 00:34

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.