http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site5.jpglink
http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site4.jpglink
http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site3.jpglink
http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site2.jpglink
http://dinispinheiro.com.br/images/banners/banner site1.jpglink

Brasil para os brasileiros

É inquestionável que atravessamos um dos momentos mais desafiadores de nossa história republicana. Submersos em uma onda de inquietude e desconfiança, assistimos, apreensivos, a episódios crescentes de desemprego, corrupção, inflação e imoralidade no trato da coisa pública. O que percebemos é que as conquistas dos últimos 20 anos estão em risco em face de uma mescla maligna de incompetência, despreparo, falta de espírito público e apropriação do poder para fins partidários e criminosos.

Estudos recentes demonstram as tristes consequências para o povo brasileiro. A chamada nova classe média, processo iniciado com o controle da inflação pelo Plano Real, na gestão do ex Presidente Itamar Franco, fez com que entre 2006 e 2012, 3,3 milhões de famílias migrassem das classes D/E para a classe C, segundo um estudo da Tendências Consultoria Integrada. Este fato é exemplificado pelo acesso a produtos e serviços que antes não cabiam no seu bolso, como plano de saúde, ensino superior, viagens de avião, carro zero, etc.

Segundo o mesmo estudo, em detrimento da grave conjuntura atual, inicia-se o caminho de volta, com um tremendo retrocesso. De 2015 a 2017, 3,1 milhões de famílias da classe C, ou cerca de 10 milhões de pessoas, devem cair e engordar a classe D/E. Só neste ano, segundo a Tendencias Consultoria, a classe D/E vai ser ampliada em cerca de 1,5 milhão de famílias; em 1,1 milhão em 2016 e em 454 mil em 2017.

Ou seja, um verdadeiro crime ceifar sonhos e projetos de brasileiros trabalhadores, que terão comprometidos a conclusão do curso superior de um filho, que terão que devolver o carro comprado com tanto sacrifício, que perderão noites de sono com dividas da casa própria, do cartão de credito e do medo do desemprego.

O Brasil é maior que estes criminosos. É fundamental que todas as pessoas de bem se unam, para, em conformidade com nossa democracia e vislumbrando o futuro das próximas gerações, mudem os rumos do país e o recoloque nos trilhos que o leve a menos desigualdade e mais justiça social.

Última modificação emSegunda, 23 Novembro 2015 12:47
Mais nesta categoria: 2015: o ano que não acabará »

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.